Wednesday, June 23, 2010

O NOVO CACIQUE, O GRANDE GRANDE CACIQUE

ADÃO CONTREIRAS, A ENGRENAGEM HUMANA

A TRISTEZA DE TODOS OS DIAS


Todos os dias são uma tristeza, um
constante massacre diário comum
do que passa do que diz do que faz
do que não passa do que não diz do
que não faz do bem vestido do mal nu
do que fala do que cala do que age
do quedo do ledo do remexido aliás
do vivo e do que jaz. A opinião opina
explica traduz medeia treslê indica
interpreta avalia dá notas aplica
elevadores sobe e desce setas acima
setas abaixo ao alto ao baixo afina
pelo polegar imperial vida ou morte
contra ou a favor ergue ou abate
sem dó sem dor sem peias que ate
tal pensamento fixo fiel firme forte
martelo malhando no pouca-sorte
fora da tribo. Que para o nosso o canto
é perfeito sem mácula logo portanto
por sim ou não por tudo ou nada
setas ao alto apologia desenfreiada
palavras para sábio notas para santo
carácter nódoa omo lava mais branco.
Matado o Pai Omnipotente a ordem é
matar pais minipotentes eleitos locais
que subidos da liberdade entre iguais
estão à mercê da liberdade do pontapé
igualmente deslealmente vilmente ralé
mente vingativamente invejosamente
ressabiadamente que a mediocridade
não suporta distúrbios na autoridade
académica autorizada corpo docente
escola pensadora vigia e conveniente
serviçal de donos do papel escrito donos
de emprego mãos caneta tinta impressa
palavras-slogan linhas-tortas e vice-versa
alinhadas por serventes servis monos
úteis de empresários sentados em tronos
editoriais clamando liberdades totais
para uso próprio e arma letal de punir
quem se atreva a pôr em causa ou bulir
sequer negócios sob disfarces editoriais
ante-câmaras de abate de malquistos pais.

O novo cacique, o grande grande cacique
disse alto e bom som grosso não fininho:
na minha imprensa manda o dinheirinho.
O resto, o país? Bem, isso que se trompique.

Labels:

0 Comments:

Post a Comment

<< Home