Friday, August 18, 2017

NÃO VEM AO CASO*

José Sócrates, ex-primeiro ministro.

A propósito da maliciosa reportagem do Público sobre a “velha PT” gostaria de fazer os seguintes comentários:
1. É falso que o Governo da altura, e em particular eu próprio, como Primeiro-Ministro, se tenha oposto à OPA da Sonae. Este é um embuste que a Sonae, o Ministério Público e os jornais afetos repetem com frequência, não deixando, por isso, de ser uma descarada mentira. Durante todo o processo, o governo sempre se portou com total imparcialidade, nunca tomando partido e ordenando o voto de abstenção ao representante do Estado. Acontece, aliás, que um dos momentos em que o Governo teve que reafirmar essa equidistância aconteceu justamente poucos dias antes da data da Assembleia Geral em que se tomaria a decisão e na sequência de um telefonema do Dr. Paulo Azevedo, durante o qual pediu expressamente a minha intervenção para que a Caixa Geral de Depósitos votasse a favor da OPA. Respondi-lhe que o governo não tinha nenhuma razão para o fazer e não o iria fazer. Para o Público e a para a jornalista, que conhecem a história, este episódio não vem ao caso.
2. É falso que eu próprio, ou alguém em nome do Governo, tenha dado qualquer indicação de voto à Administração da Caixa Geral de Depósitos ou a qualquer dos seus membros. Isso foi já desmentido pelos Administradores, que confirmam que a decisão foi tomada em reunião do Conselho de Administração e com o único fundamento de ser esse o melhor interesse da instituição. Acresce – novo ponto que não vem ao caso, para o Público – que mesmo que a Caixa tivesse votado a favor da OPA ela teria sido recusada.
3. É igualmente falso que tenha sido o Governo a sugerir a parceria com a empresa OI. Essa foi uma decisão da exclusiva responsabilidade da Administração da PT, tendo as negociações entre as duas entidades decorrido com total autonomia empresarial. Não têm, portanto, nenhum fundamento as suspeitas apresentadas. Nascendo de um qualquer preconceito contra a intervenção do Estado, estão, por isso, ao serviço de uma certa visão política. O “patrocínio de S. Bento “, invocado sem nenhuma justificação, não passa de um insulto do jornal.
4. O Governo da altura decidiu, como todos sabem, opor-se à venda, à Telefónica, da empresa Vivo, venda essa que abandonava o tradicional plano estratégico de presença da PT no Brasil, iniciada há muitos anos atrás. O governo exerceu, então, os seus legítimos direitos, na defesa do que considerava ser o interesse nacional: não permitir uma venda cujo único objetivo vislumbrável seria apenas distribuir dividendos aos acionistas, perdendo a PT a condição de uma empresa lusófona de vocação global na área das comunicações, condição da maior relevância para a economia portuguesa. Essa decisão do governo, como o Ministério Público e o jornal parece quererem esconder, foi contrária aos interesses da maioria dos acionistas, entre os quais estava o grupo BES. No entanto, para o Público, isso parece que também não vem ao caso.
5. A única decisão que não teve oposição do governo a que presidi foi a de concretizar uma parceria estratégica, através de troca de participações, com a OI. Com efeito, em Julho de 2010, a PT anunciou a decisão de adquirir até 22% da OI Brasil, assegurando uma participação qualificada num dos maiores operadores brasileiros, e, em simultâneo, anunciou também a entrada dos acionistas brasileiros no capital da Portugal Telecom com uma participação equivalente à que era detida pela Telefónica (10%). Esta foi, repito, a única decisão que não teve oposição do meu governo – troca de participações como parceria estratégica. Nada mais.
6. Anos depois do meu governo cessar funções, mais concretamente em Outubro de 2013, foi anunciada, com grande entusiasmo e certamente com total conhecimento das virtudes do passo a dar, a operação de fusão da PT com a OI, que se viria a concretizar em Março de 2014. Anúncio em 2013, concretização em 2014. Julgo que é o bastante para afirmar que as diversas etapas para a fusão foram realizados na vigência do governo que me sucedeu, sem que este tivesse levantado qualquer objeção, podendo fazê-lo, nomeadamente, através da participação que ali detinha através da Caixa Geral de Depósitos. Também aqui isso parece que não vem ao caso.
7. Mas mais: em 26 de Julho de 2011, num dos seus primeiros atos, o governo de então decretou o fim da golden share do Estado na PT, sem que ela fosse substituída por um qualquer acordo para-social, alteração estatutária ou ato legislativo que permitisse ao Estado ter um papel relevante em questões estratégicas na área das telecomunicações. Esta decisão beneficiou diretamente, e sem qualquer contrapartida para o Estado, os acionistas privados que, recorde-se, quando compraram a PT ainda ela estava sujeita à golden share. Para o Público, esta decisão parece que também não vem ao caso.
8. Todo o artigo parte da ideia de uma cumplicidade do Governo de então com os interesses da administração da PT. Os factos demonstram a falsidade de tal imputação. Durante toda a minha governação o Grupo PT teve a maior diminuição de sempre na sua quota de mercado de assinantes e de receitas dos serviços de TV, Telefonia Fixa e Acesso à Internet.
Quota Mercado Assinantes PT 2004 - 2011
TV 80% 35%
Telefone Fixo 94% 53%
Internet 82% 49%
Estes números são expressivos, demonstrando que o Governo cumpriu exatamente os objetivos do Programa de Governo de promover uma maior concorrência, removendo barreiras à entrada no mercado e corrigindo posições dominantes. Como todos os operadores sabem, nunca, repito nunca, nenhum governo foi tão longe na promoção de um mercado diverso e concorrencial como mecanismo de desenvolvimento económico. Nunca um governo agiu de forma tão explicita no sentido de contrariar as tendências monopolistas da PT. Mas, está bem de ver, também isto não vem ao caso.
9. Chegou talvez o momento de dizer alguma coisa sobre essa estranha patranha da minha alegada proximidade com o Dr. Ricardo Salgado. Tive e tenho consideração pelo Dr. Ricardo Salgado, mas nunca fui seu próximo nem fazia parte do seu círculo de amigos. Enquanto fui Primeiro-Ministro nunca o visitei no seu banco, nunca fui a sua casa e as reuniões que tivemos sempre foram a seu pedido e no meu gabinete. A nossa relação sempre foi cordial e institucional, apesar do diferendo público relativo às nossas posições a propósito do veto do governo à saída da PT do Brasil. Vejo, todavia, com tristeza, mas sem surpresa, que a direita política, de quem ele sempre foi próximo, se procura agora distanciar, mas nunca me ocorreu que a ambição de revisionismo histórico fosse tão longe, procurando agora transformar o Dr. Ricardo Salgado em amigo dos socialistas.
10. A avaliar pelo seu comportamento há muito que percebi que os dirigentes da Sonae nunca perdem. No caso de serem derrotados, isso resulta sempre ou da deslealdade da concorrência ou da parcialidade do árbitro. Como poderia ser de outro modo dada a excelência dos seus gestores e das suas equipas? Todavia, a megalomania manifesta-se sobretudo na visão imperial da empresa. Quem não defende os seus propósitos estará seguramente ligado a outros interesses, não podendo estes deixar de ser obscuros ou ilegítimos. Não sei com quem estão habituados a lidar, mas talvez esteja na altura de amadurecerem.
11. Finalmente, temos o Público. A reportagem retoma de forma escandalosa e parcial a visão da empresa Sonae, que é a proprietária do jornal. Não vou perder muito tempo com este assunto, mas isto deve ser dito: toda a noticia, o editorial e a primeira página não passam de um serviço aos interesses económicos do proprietário, envergonhando o jornalismo decente e honesto.
(*)Para quem não saiba , “não vem ao caso” foi a expressão que o juiz brasileiro Sérgio Moro continuamente utilizava quando surgia algum facto que pudesse pôr em causa a tese da culpabilidade do Presidente Lula da Silva
José Sócrates (in Público de 17.08.2017)

Wednesday, August 16, 2017

FESTA DE AGOSTO 2017, Gorjões dias 04 e 05

Sunday, August 13, 2017

O ALDRABÃO E O LADRÃO POLÍTICOS


Coexistem neste momento duas manobras políticas dos adversários para travar as candidaturas destas duas figuras, contudo, ambas, executadas por manhoso manobrismo político e não pelas verdadeiras razões segundo as quais deveriam ser corridos sem apelo pelos eleitores.
Caso do Porto. Rui Moreira fez-se político e vive da política fazendo propaganda baixa e populista contra os partidos. Para tal figurão os 'partidos' são a origem dos males, desgraças, podridões e corrupção que assolam o país em contraponto aos 'independentes' do seu 'movimento' que apresenta como se fossem um grupo de imaculada gente mais próprios para figurarem num altar ao lado do perfeitíssimo Moreira.
Para tal figurão, tal como para Pacheco Pereira, nos 'partidos' prevalece à frente uma oligarquia sem valores morais ou sociais que trata primeiro dos interesses pessoais e do partido o que tudo perverte. Ao contrário, no seu 'movimento' todos se movimentam num caminho de calvário pessoal que redime o povo dos pecados dos 'partidos'.
A palavra 'partido' para o figurão faz-lhe azia e pele de galinha, contudo, oportunista desavergonhado coloca tal palavra no centro significativo do principal slogan da sua propaganda de candidatura. Os 'partidos' de áreas ideológicas constituídos e existentes no local com gente do Porto são o mal, mas se a mesma gente se juntar em nome do 'partido do Porto' passa, automáticamente, a fazer parte do bem.
Qual a diferença!: demagogia e oportunismo. Moreira usa de engano e manipulação do zé povinho ingénuo pela insinuação de que é independente das corporações comerciais e industriais e respectivas elites que as servem nas várias áreas e, desse modo, usa o engodo do 'movimento' o qual, apregoa,  apenas joga pelo Porto e une o Norte para o fazer forte contra os 'partidos' que jogam contra o Porto e o dividem para o enfraquecer e poder explorar.
A palavra 'partido' é usada com pesada carga valorizada negativa e pejorativamente pelo 'movimento' para, com um golpe de mágica de elevado oportunismo político poder ser usada pelo próprio 'movimento' em nome da Cidade como redentora desta. Uma manobra de puro engano gizada por um verdadeiro aldrabão político.
Caso de Oeiras. Bem, neste caso, embora numa escala maior e forma mais desenvergonhada, existe um método com semelhanças ao anterior e muito revelador da degradante consciência de valores do nosso eleitorado.
Basta lembrar aquilo que todos dizem em Oeiras e arredores à boca grande àcerca do Isaltino e que é: «ele rouba mas faz». Com esta racionalidade de valores invertidos os de Oeiras, autarquia com o maior numero de licenciados por m2, elegem o Isaltino consecutivamente e, parece, preparam-se para o eleger novamente.
E, deste modo, é lógico que o Isaltino pense igualmente, segundo a mesma racionalidade e seguindo o seu método de autarca modelo, que "quanto mais faz mais pode roubar", pois constata na prática que os oeirenses o autorizam a roubar para fazer algo por eles. Aqui, trata-se já não de ganhar votos por aldrabice mas ganhar votos pelo roubo em benefício pessoal. Aqui, já não só o candidato é corrupto conhecido à partida como até o eleitorado se tornou corrupto por apoiar e ser conivente com o método de corrupção usado pelo candidato.
Os eleitores de Oeiras que elegem o seu autarca sendo conhecedores de antemão do método isaltineano são tão corruptos como o próprio Isaltino pois consentem que ele os roube para depois o ladrão eventualmente 'fazer' por eles algo não dito, não escrito, tão incerto como indefinido. Aqui tudo não passa de um esquema de um roubo consentido por aprovação e aplauso dos eleitores numa operação de   ladroagem completamente imoral, ilegítima e ilegal.
O autarca modelo de Oeiras é modelo, sim, mas é no método modelo de roubar.

Labels: ,

Thursday, August 03, 2017

FESTA DO ''ENTERRO DO ENTRUDO'' 2000

Tuesday, August 01, 2017

PACHECO PEREIRA, O MEDINA CARREIRA SOFISTICADO 3

 
«Os republicanos, de facto, já mostraram que não têm vergonha nenhuma e deixam-se, assim, humilhar. Salvo uma ou duas excepções, e uma delas é McCain que está bastante doente, engolem estes insultos e pressões e vão lá a correr dar-lhe o que ele quer. Até agora ainda não correram bastante, mas quanto mais Trump se esforça para os humilhar, mais correm. Não, este não é o Partido Republicano de Reagan nem de Bush, é o Partido Republicano que foi quebrado na sua "linha de costas" pelo Tea Party e que Trump tomou de assalto.»
Pacheco Pereira em artigo de opinião "A época tola".

Afinal Trump parece já não ser tão certo para Pacheco Pereira o "sinal de uma considerável intuição política". Agora, que Trump despede twytamente à semana os que nomeia sucessivamente para seus ajudantes e humilha e acusa os seus homens de mão partidários de lhe quebrarem a linha de costa PP,  parece esquecer-se dos argumentos da visão política de Trump que descobrira uma América esquecida. 
Mas o que diz agora PP é retótica falida de quem sempre opinou e ainda opina baseado no simplismo falacioso de que o "politicamente correcto" é o mal da política actual que desvia e oculta a realidade da ineficácia prática e inoperância política dos "carreiristas" dos aparelhos partidários em resolver os problemas reais e mais prementes das populações, quando não as abandona.
No mesmo artigo de opinião acima transcrito o mesmo PP diz claramente, acerca dos candidatos às eleições autárquicas; "E depois, são muito menos controladas pelos aparelhos partidários dos grandes partidos que estão todos, PS e PSD, dominados por oligarquias." Claro, PP considerava que o Partido Democrático americano estava igualmente dominado por uma oligarquia demoníaca a quem o Trump de elevada intuição política iria desmascarar e partir a espinha.
Desconheço essa subtileza de Trump ter tomado o Partido Republicano a partir do Tea-Party, o que é real é que o Tea-Party era parte importante do dito partido republicano e, foi todo este partido, que levou Trump às costas até à eleição. O homens fortes do partido carregaram-no às costas e agora o intuitivo visionário sacode-os das costas como quem sacode a água suja do capote.
Pelos seis meses de governança trumpista o que se constata é que a intuição política do homem era a do pato-bravo e que afinal o que o levou a Presidente não foi nenhuma sua intuição política, que só existe na cabeça de PP, mas sim a falta de cultura e intuição política duma grande margem do povo americano.
E também contou com a preciosa ajuda dos que usaram e promoveram pejorativa e maldosamente a ideia do "politicamente correcto" ao ponto de propagandearem como preferível o "politicamente incorrecto" mesmo que este possa vir a rebentar com o mundo brincando às bombas nucleares. 

Labels: