Wednesday, February 24, 2016

FIGURAS GORJONENDES 6, O LEONARDO




LEONARDO
O Leonardo foi a figura que mais pisou o chão e as calçadas do "Alto" nos Gorjões. Mesmo quando não se passava nada nem havia ninguém no lugar, ele lá estava dando vida ao instante. Com a música do seu magnífico assobio de imitar pássaros, sentando-se nas sombras calcetadas das casas conforme o correr do sol, ele sozinho dava o colorido ao "Alto" até aparecer alguém para uma cavaqueira de matar o tempo. Era tão habitual a sua presença que, nas raras vezes que faltava ou se atrasava, era motivo de preocupação dos habitantes e pessoal das "vendas" locais.
Uma vez, num desses raros atrasos, eu perguntei-lhe:

A: -Então Leonardo, só agora?
L: -Fui ganhar o dia, tu não comes todos os dias, eu também e ninguém m'o dá.
A: -Foste para a pedreira fazer calçada?
L: -Fui ainda de noite armar as ratoeiras, ao nascer do sol apanhei uma barrigada de figos "arréguados" da brandura da noite, e depois fui p'rá pedreira até o sol deixar.
A: -O sol não te deixa ficar na pedreira?
L: -Vai p'ra lá tu e logo vez, nem 15 minutos aguentas no buraco da pedreira com o sol a dar-lhe em cheio. Não trabalho p'ra me matar a "arranjar", trabalho para comer e manter-me vivo. E tenho de ir dar "revista" às ratoeiras.
A: -Depois da "revista" voltas à pedreira?
L: -Não me vez aqui, venho comprar o peixe, depois vou p'ra casa arranjá-lo e ainda dou a "2ª revista" às ratoeiras e só depois é que vou p'ra casa assar o peixe, comer e arranjar os passarinhos.
A: -Depois vens até ao "Alto" descansar e fazer tempo até fazer sombra na pedreira?
L: -A partir do meio da tarde vou fazer umas pedras de calçada até ao sol posto,  já bate sombra e já se aguenta o calor.
A: -E onde é a pedreira?
L: -É onde calha, agora é logo ali no cerro do Xico-à-Menina, pedi ao dono do mato para tirar a pedra e ele disse que sim. Já lá tenho um buraco enorme e uma pilha de pedra arrancada. Já foi na Cruz de Pau, no Corgo, no Mato da Mina, é onde me deixam.
A: -Fazes tudo sozinho? Como é que arrancas a pedra?
L: -Com o picareto, a pá, a alavanca e os guilhos. E os braços e as mãos, olha as minhas mãos, têm gretas pretas que parecem regos de arado. E a marreta e o martelo para partir a pedra e "quadrá-la" para calçada.
A: -Isso dá p'rá sopa , nunca consegues "ajuntar" um pé de meia p'rá velhice.
L: -Se não tiver nada, quando a velhice chegar morro mais depressa, se já não me governo sozinho também já não estou cá a fazer nada, não faço falta a ninguém.
A: -Os moços do teu tempo emigraram e compraram automóvel, fizeram casas novas, compraram terras e andares, estão bem e tu é sempre o mesmo pobre arrastar de vida. Não tens inveja?
L: - Olha p'ra eles, é dores na coluna, nas pernas, hérnias, ciáticas, sofrem de mil males. Andaram a passar mal e a matar-se na ganância para "ajuntar", agora gastam o que ganharam no médico e não se livram dos males. E o que sobra, logo vejo se levam p'ró céu. A mim podem dar-me uma herdade no Alentejo que eu não quero.
A: -Como? Se te dessem uma herdade grande e rica não querias?
L: -Nem pensar. Tinha de contratar homens, tratar de papéis, pagar décima, impostos, organizar e pagar ao pessoal, não fazia mais nada senão pensar na herdade, trabalhar e morrer por conta da herdade e depois a herdade ficava p'ra quém? Não, não tenho vida p'ra isso.

Realmente não tinha vida para além daquela de que gostava e sempre levou sem invejar nada nem ninguém. Nunca foi senhor nem escravo de ninguém, nem de bens materiais ou inveja deles. Teve como único bem pessoal o seu próprio corpo e viveu para vesti-lo, alimentá-lo e tratá-lo apenas o necessário à sua manutenção. Tinha um sentido primitivo e pródigo da vida, era como uma árvore que lhe basta a terra para dar flôr e frutos aos outros.
E foi assim até ao fim, adoeceu gravemente e recusou ir ao médico. Morreu depressa como queria. Hoje, dia primeiro de Abril mas é verdade, eu vi, foi a enterrar. 
Hoje o buraco da pedreira abateu-se e soterrou-o na nossa memória.

Publicada aqui em 01 de Abril de 2008
A publicar brevemente em livro

Labels:

Sunday, February 21, 2016

FIGURAS GORJONENSES 5 - II, ANTÓNIO DAS PAPAS

Thursday, February 18, 2016

CARNAVAL SÃO BRÁS DE ALPORTEL 2016

Sunday, February 14, 2016

FIGURAS GORJONENSES 5-I, ANTÓNIO DAS PAPAS, 1988-66 ANOS

Saturday, February 13, 2016

CARNAVAL BORDEIRA 2016

Wednesday, February 10, 2016

CARNAVAL GORJÕES - SANTA BÁRBARA DE NEXE 2016

Monday, February 08, 2016

FIGURAS GORJONENSES 4 - TI CARRUSCA DA PALHAGUEIRA

Thursday, February 04, 2016

FIGURAS GORJONENSES 3

Monday, February 01, 2016

FIGURAS GORJONENSES 2 (JOAQUIM PIRES CHAPA, 1983 - 85 ANOS)